Vivagreen

GreenArq

Desconhecimento compromete descarte de resíduos de construção

22 de setembro, 2015

Os resíduos sólidos de construções e reformas devem receber destinação correta, regulamentada pelo Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e a Norma ABNT NBR 10.004.

Eles são classificados em quatro classes diferentes, de acordo com as suas especificações, o descarte e a possibilidade de reciclagem. No entanto, comumente, deixam dúvidas na hora da definição do encaminhamento para os aterros de resíduos perigosos ou empresas de reciclagem.

Na opinião da engenheira e consultora técnica de sustentabilidade do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo), Lilian Sarrouf, o pequeno gerador de resíduos, que precisa descartar uma lata de tinta ou uma pilha de madeiras, é quem mais sofre com a falta de informação sobre o assunto. “Em algumas situações é possível aproveitar o material na própria obra. Em outros casos, é preciso separá-los para descarte. Tudo depende da classificação e da periculosidade”, explica.

Segundo Lilian, a tinta epóxi, por exemplo, precisa ser descartada em um aterro para resíduos perigosos. Mas se o que sobra for apenas uma lata pequena, pode sair muito caro enviá-la para o aterro.

Ao fazer uma reforma, a primeira orientação da especialista é atentar-se à maneira como são retiradas louças, esquadrias e revestimentos, pois com o manejo correto é possível reutilizá-los em outras obras. Já em casos de demolição, pode-se reutilizar os resíduos cimentícios, cerâmicos, madeiras, plásticos e metais. Se o material não puder ser reaproveitado ou reciclado é preciso seguir as orientações de descarte do Conama, que regula a gestão de resíduos da construção e determina que todo município tenha uma área de transbordo e triagem.

“A realidade é um pouco diferente”, destaca Lilian. “Ainda existem muitas cidades que não contam com estes espaços. Neste caso, deve-se procurar a área de transbordo de outro município e, paralelamente, cobrar das autoridades da sua cidade que um espaço apropriado seja criado”.

Catraca Livre

Os comentários estão desativados.

Tweets

Vivagreen @Vivagreen1
Como funciona o processo de logística reversa de eletrônicos? #logistica #reciclar / via @Vivagreen1
h J R
Vivagreen @Vivagreen1
Oficina de Fitoterapia e Saúde Natural no Sítio Pau d'Água https://t.co/q3855o5IEI #saudenatural #organico / via @Vivagreen1
h J R
Vivagreen @Vivagreen1
BRASIL É O 4º NO MUNDO EM CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS https://t.co/d8VDQ9vaWa via @Vivagreen1
h J R

Principais posts