Notícias

Após repercussão negativa, SeaWorld anuncia que deixará de criar orcas em cativeiro

Por março 20, 2016 Sem comentários
sea-ecod

A administração da rede de parques aquáticos SeaWorld anunciou nesta quinta-feira, 17 de março, que não vai mais promover a reprodução de orcas em cativeiro e que aquelas ainda presentes em seus parques serão as últimas, segundo informações da Reuters.

Sediado na cidade americana de Orlando, na Flórida, o SeaWorld vem enfrentando uma queda de público e há anos é alvo de críticas por causa da maneira como trata seus mamíferos marinhos em cativeiro, assim como da pressão de ativistas de direitos dos animais para que encerre definitivamente a exibição pública das chamadas “baleias assassinas”.

Em novembro, o SeaWorld, que tem parques em San Diego, Orlando e San Antonio, informou que vai substituir suas orcas “Shamu”, de San Diego, por apresentações dedicadas à conservação ambiental.

Agências reguladoras da Califórnia já haviam dito que vão impedir que o SeaWorld de San Diego continue a criar as orcas caso a empresa leve adiante seu plano de expansão do habitat artificial dos animais.

O SeaWorld tem 29 animais da espécie sob seus cuidados, incluindo seis emprestados, de acordo com seu site. A primeira delas nasceu em um parque da empresa em 1985. Desde então, 30 nasceram nos parques, entre elas as primeiras resultantes de inseminação artificial.

Blackfish
A empresa também testemunhou uma reação negativa ao documentário “Blackfish”, de 2013, que mostra a manutenção em cativeiro e a exibição pública das baleias como algo extremamente cruel.

O filme, que o SeaWorld criticou dizendo ser inexato e tendencioso, também trata das circunstâncias que levaram à morte de um importante treinador da empresa em 2010, que foi arrastado para debaixo da água e afogado por uma orca durante um show na Flórida.

A SeaWorld procurou contrabalançar a publicidade negativa de “Blackfish” com uma campanha de relações públicas para chamar a atenção para o papel da organização na pesquisa de mamíferos marinhos e no resgate e reabilitação de animais no mundo selvagem.

As ações da SeaWorld, que caíram cerca de 11% em 2015, foram cotadas a UU$ 17,12 no pregão de quarta-feira (16).

EcoD

Deixe uma resposta