casa-ecologica

A casinha da árvore já não é mais aquela. Ainda bem! Veja como é viável hoje ter sua habitação sustentável.

Segundo informações da Universidade Tecnológica do Paraná, a construção civil convencional hoje é de alto impacto ambiental. Usa mais de 50% dos recursos naturais do planeta. O cimento é responsável por 7% do aquecimento global. A transformação do aço, o tijolo queimado, o cal… Todos são materiais não renováveis.

Já na construção sustentável, o primeiro indício se vê na quantidade de resíduos gerados. Quase nenhum! Boa parte das peças são modulares, ou seja, vem prontas de fábrica, bastando montar. Materiais reciclados, como mantas feitas de garrafas PET ou borracha de pneus usados, garantem isolamento acústico e térmico, podendo então se usar paredes mais finas.

Inovação, tecnologia e criatividade permitem construir habitações urbanas com economia de recursos naturais, respeitando o meio ambiente. Para que essa economia chegue ao consumidor final, basta ter escala, ou seja, que se produzam casas ecológicas em grande quantidade. Os vídeos abaixo mostram que não só é possível, como já existem provas suficientes para que a casa verde seja mais que uma alternativa, mas um padrão na construção civil.

Escritório sustentável em Curitiba Paraná. Cerca de 90 empresas cederam os materiais e em troca, receberam uma certificação da Universidade Tecnológica do Paraná. Praticamente tudo no imóvel é feito a partir da reciclagem de produtos como garrafas pet e pneus. A intenção é provar que hoje já é possível optar por esse novo modelo na hora de fazer uma casa ou apartamento.

Casa container hoje é uma realidade. Muitas pessoas procuram um material que estava sobrando para reduzir o impacto. Não é uma construção, mas é praticamente uma montagem.

Um arquiteto e um engenheiro resolveram construir uma casa sustentável capaz de gerar toda a energia elétrica usada pelos moradores.

Arquitetos do “Projeto Recriar” ensinam moradores a construir casas populares sustentáveis com baixíssimo orçamento.

Via Setor Reciclagem por Ricardo Ricchini

Deixe uma resposta