Energia

Washington vai transformar dejetos humanos em energia limpa

Por novembro 9, 2015 Sem comentários
1-unidades-tratamento-biossolido

Empresa promete reduzir os impactos ambientais gerados pela queima de combustíveis fósseis e, ainda, as despesas com tratamento de esgoto.

A D.C. Water, responsável pelo tratamento de esgotos da capital norte-americana, Washington, e também dos estados vizinhos da Virgínia e Maryland, acaba de anunciar uma iniciativa que promete aliviar o meio ambiente e reduzir os impactos ao máximo.

Trata-se da utilização de um novo sistema de hidrólise térmica norueguês, que converte as fezes em eletricidade. Dessa forma, a empresa consegue manter um ciclo mais fechado, garantindo que todos façam parte da preservação ambiental e auxiliem, indiretamente, na geração de energia limpa.

Para o diretor da empresa, esta é uma iniciativa que atua em várias frentes. Isso porque é a primeira empresa pública a ter um sistema desse tipo, liderando a inovação e tecnologia mundial. Muitas companhias de água públicas e privadas de todo o mundo estão indo até a capital norte-americana para entender como funciona o projeto e o que é necessário para a sua implantação.

Como funciona?

Ao contrário do que parece, o sistema é bastante simples. Quando os habitantes de Washington acionarem a descarga ou, ainda, enviarem para os ralos sabão e água – do banho ou da pia –, os conteúdos passarão por uma tubulação até chegarem ao centro de tratamento de águas residuais da cidade.

Lá, telas preparadas para remoção de detritos separarão tudo o que for sólido. Após o processo, grandes centrífugas devem retirar a água e se concentrar nos sólidos que permanecerão.

Enquanto o líquido é enviado para tratamento e volta ao rio Pontomac, os sólidos concentrados são enviados para um enorme reator de aço criado pela Cambi, a fabricante norueguesa que criou o sistema. Esses reatores funcionam como panelas de pressão e “cozinham” os detritos.

O conteúdo resultante é enviado para quatro digestores – uma espécie de cilindro de cimento com oito andares de altura – que recebem até 14,3 milhões de litros. Os organismos microbianos ficam por lá por até três semanas. Eles são responsáveis por converter a matéria orgânica em gás metano, tratado e enviado para outro edifício onde as turbinas queimam o gás metano e transformam em eletricidade.

De acordo com as estimativas do governo e da D.C Water, esse sistema inovador vai produzir energia suficiente para abastecer mais de 10 mil casas. Além disso, ainda vai evitar a despesa com outras ações de limpeza de esgoto. No total, espera que sejam economizados € 11,4 milhões por ano.

Apesar dos ganhos estimados, ainda não foram divulgados os valores para a implantação total desse sistema de energia limpa.

Pensamento Verde