wind-turbines

Energias renováveis

As fontes de energia renovável cresceram em ritmo recorde no mundo em 2015, ano em que pela primeira vez os países emergentes superaram os mais ricos em investimentos nessa área, segundo o “Relatório do Estado Global de Energias Renováveis 2016” (Renewables 2016 Global Status Report).

Os investimentos em energia eólica, solar e hidroelétrica foram também mais do que o dobro do valor aplicado em novas usinas de carvão e gás, aponta relatório, realizado anualmente pela REN21, uma organização que reúne uma rede de empresários, cientistas e gestores públicos em prol do avanço as fontes renováveis de energia. Ao mesmo tempo, os custos de fontes renováveis também foram reduzidos.

No ano passado, cerca de 147 gigawatts (GW) de energia renovável, principalmente eólicae solar, foram acrescentados à capacidade de geração do planeta, o equivalente a toda a capacidade de geração a partir de todas as fontes na África.

China, Estados Unidos, Japão, Grã-Bretanha e Índia foram os países que mais contribuíram para esse crescimento, ainda que os preços de combustíveis fósseis tenham caído significativamente em 2015.

Competitivas

Apesar de não estar entre os cinco principais países no total de aplicado, o Brasil se destaca por ocupar a vice-liderança em investimentos em energia hidroelétrica, de biodiesel e etanol, atrás da China, e o quarto em energia eólica.

Também é o terceiro país com a maior capacidade de geração de energia renovável quando é levada em conta a fonte hidrelétrica, atrás de China e Estados Unidos.

“Esse aumento, essencialmente a partir de energia solar e eólica, é um indicativo claro de que essas tecnologias são competitivas financeiramente (em relação aos combustíveis fósseis)”, diz Christine Lins, secretária-executiva da REN21. “Elas são priorizadas por muitos países e cada vez mais também por empresas e investidores, o que é um sinal muito positivo.”

Investimentos em energias limpas

O investimento em energia renovável no mundo atingiu US$ 286 bilhões em 2015.

Com a China respondendo por mais de um terço do total no mundo, os países em desenvolvimento superaram as nações mais ricas pela primeira vez. Estas nações investiram US$ 156 bilhões no ano passado, um aumento de 19% em relação a 2014.

No caso do Brasil, o país foi o segundo do mundo em ampliação da capacidade hidrelétrica. E foi o quarto de eólica, embora o estudo ressalte a falta de linhas de transmissão para levar a energia gerada pelo vento até os consumidores.

Ao comparar o valor empenhado em um país com seu Produto Interno Bruto (PIB) de um país, os principais investidores foram países pequenos, como Mauritânia, Honduras, Uruguai e Jamaica.

“Isso mostra que os custos caíram tanto que as economias emergentes passaram a se concentrar em renováveis”, afirma Lins. “Esses países são os que têm o maior crescimento de demanda por energia, e este ponto de inflexão é um acontecimento notável.”

Via Inovação Tecnológica com informações da BBC

solar1

Deixe uma resposta