17814921

Primeiro Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Capital mostra ainda que os resíduos sólidos são o segundo maior emissor de Gases de Efeito Estufa

Pelo menos dois terços das quase 3 milhões de toneladas de CO2 e (gases poluentes equivalentes a dióxido de carbono) emitidas no ar de Porto Alegre em 2013 foram provenientes do transporte. É o que mostra o primeiro Inventário de Emissões Gases de Efeito Estufa da Capital, elaborado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam).

O documento, que deve servir como ferramenta para guiar ações futuras e promover estratégias de desenvolvimento menos poluidoras em diferentes setores da economia, indica ainda que os resíduos sólidos são o segundo maior emissor de Gases de Efeito Estufa (GEE), com 20%, seguidos da chamada energia estacionária (14%), que são as emissões indiretas provenientes do consumo — de energia ou combustíveis.

Conheça as promessas dos países para reduzir emissões de gases de efeito estufa

Para o secretário municipal do Meio Ambiente, Mauro Moura, o resultado do estudo não surpreende:

— É um resultado esperado para uma área urbana. Somos uma cidade de comércio e serviços, e temos um grande problema de mobilidade. Tudo isso tem efeito sobre as emissões.

Efeito estufa fará temperatura subir a níveis sem precedentes

Dentro do percentual emitido pelo transporte, quase 80% das emissões são provenientes do transporte terrestre — o restante vem da aviação. O combustível que mais emitiu GEE na Capital durante o período foi a gasolina comum — quase 1 milhão de toneladas —, seguida do diesel — com 480 mil toneladas — e do gás natural veicular — que produziu 66 mil toneladas de CO2e. 

Alternativas menos poluentes ainda carecem de estímulos

O caminho do transporte limpo não somente é longo como deve encontrar obstáculos no próprio modelo de planejamento urbano atual. Na avaliação do engenheiro agrônomo Leonardo Melgarejo, presidente da Associação Gaúcha de Protação ao Ambiente Natural (Agapan), a Capital ainda carece de iniciativas que desestimulem o uso do carro e aposta em empreendimentos que forçam o deslocamento das pessoas à região central da cidade em vez de apostar na descentralização das atividades.

Concentração de gases do efeito estufa bateu novo recorde em 2014

Professor da Faculdade de Engenharia e pesquisador do Instituto do Petróleo e dos Recursos Naturais (IPR) da PUCRS, Rodrigo Iglesias acredita que é difícil pensar em uma solução a curto prazo para o transporte poluente, já que mesmo as alternativas mais conhecidas ao modelo de propulsão atual, como os carros elétricos, demandam geração de energia — outro poluente. Por outro lado, pondera, se o transporte é o maior problema nos grandes centros urbanos, ele fica para trás no ranking geral de emissores, onde a proporção se inverte: dois terços dos GEE do planeta são emitidos por fontes estacionárias.

— A questão do transporte é mais particular dos centros urbanos, porque eles já não abrigam mais as indústrias e usinas de energia, que são os que mais poluem. Mas, mesmo com a melhora do transporte público, é preciso mudar a forma de propulsão dos veículos. E isso ainda é tímido, mesmo nos países desenvolvidos. Leva um tempo considerável — projeta.

Por: Bruna Vargas | ZH

Deixe uma resposta