jardim_vertical_portland_47588

Plano de Vôo-Cada vez mais os aeroportos investem em tecnologias verdes, o de Oregon, nos Estados Unidos, é conhecido por seu jardim vertical. (Foto: Reprodução)

Medidas sustentáveis que estão mudando a cara, as emissões de carbono e o impacto social dos aeroportos no Brasil e no mundo.

A modernização do transporte aéreo passa pela premissa da sustentabilidade. Cada vez mais os aeroportos investem em tecnologias verdes, como captação de luz para gerar energia solar, reciclagem de resíduos para diminuição do lixo produzido e armazenamento de água da chuva para reaproveitamento, com o objetivo de reduzir suas emissões de carbono e preservar o planeta.

Grandes cidades investem em reformas em seus terminais, e os novos projetos de aeroportos contam com importantes medidas nesse sentido. Um exemplo será o novo aeroporto do arquipélago de Galápagos, paraíso natural localizado no Oceano Pacífico, perto da costa do Equador. Atualmente, a ilha é um dos principais destinos ecoturísticos do mundo, e o novo aeroporto vêm para implementar o roteiro.

O projeto contará com mecanismos para geração de energia eólica e solar, e a água, além de ser fornecida por uma usina de dessalinização, também poderá ser reutilizada em torneiras e sanitários após passar por um sistema de tratamento interno.

Já o aeroporto de Oregon, nos Estados Unidos, chama a atenção por seu deslumbrante jardim vertical, que faz sombra na entrada do terminal. Além disso, a construção conta com uma abóbada de vidro com painéis solares que produzem energia elétrica.

Aeroporto de Guarulhos: redução do impacto social e preparação para a Copa de 2014
No Brasil, o maior aeroporto do país, o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, também passa por um processo de transformação. Desde novembro de 2012, quando a GRU Airport, concessionária da iniciativa privada, assumiu sua administração, está em andamento um projeto de ampliação previsto para terminar até a Copa de 2014.

Entre as medidas sustentáveis adotadas pela nova concessionária, está o projeto “Afinando para o futuro com arte”, que contemplará 120 crianças e adolescentes de famílias residentes no entorno do aeroporto com atividades artísticas, culturais, esportivas e preparação para o primeiro emprego. “Entendemos sustentabilidade como um aspecto integrado ao seu core business, assim como algo que deve permear sua cadeia de valor. Nesse sentido, procuramos garantir a sustentabilidade do negócio, criar relações estáveis com a comunidade e minimizar qualquer impacto ambiental e social”, explicou o Coordenador de Responsabilidade Social do GRU Airport, Carlos Melo.

Suprir a demanda que virá com os megaeventos que o Brasil sediará, como a Copa do Mundo de 2014, também está no cerne das metas do aeroporto. “Sob o ponto de vista da sustentabilidade, estamos estudando, por exemplo, a participação em um projeto cujo objetivo será produzir biodiesel, que alimentará os veículos envolvidos no transporte de delegações para a Copa”, contou Melo. A GRU planeja doar o azeite vegetal produzido pelos restaurantes instalados no aeroporto para essa inciativa. Eles converterão esse azeite em biodiesel.

Além disso, entre as medidas sustentáveis inseridas no plano da reforma, está um projeto de gestão de resíduos sólidos com coleta seletiva em parceria com cooperativas locais, a criação de um espaço de atendimento a menores e pessoas em situação de vulnerabilidade social, bem como um Posto Avançado de Atendimento Humanizado, um espaço criado em conjunto com a Prefeitura Municipal de Guarulhos que prestará atendimento aos migrantes e às vítimas de tráfico de pessoas.

Aeroporto com meta carbono 0

O Aeroporto Internacional de São Francisco, nos Estados Unidos – SFO, na sigla em inglês –, finaliza uma reforma, orçada em mais de US$ 383 milhões, e colocou como meta, até 2020, ser neutro em emissões de carbono. Com as mudanças implementadas, as emissões de carbono devem cair 1,6 tonelada por ano.

O aeroporto implantou um equipamento de iluminação ecoeficiente que valoriza a luz natural do sol para reduzir o uso das lâmpadas artificiais. Além disso, 90% dos materiais de construção e demolição oriundos das obras foram reciclados.

Outra medida adotada bastante interessante estará fora do aeroporto: os ônibus que prestarão serviços ao SFO vão operar à base de biodiesel, e o aeroporto dará descontos para os usuários que alugarem carros ecoeficientes. Os passageiros também poderão comprar créditos de carbono em um terminal para neutralizar a emissão de suas viagens.

Via Allianz – sustentabilidade.allianz.com.br

Um comentário

  • Rogerio Festa disse:

    O êxodo rural está mais presente que nunca em nossas vidas, a família rural saiu do campo e isso é fato em todo o desde o engano da revolução industrial, quando foram prometidos falsos benefícios de ter um emprego e viver na cidade.

    Hoje nosso grande desafio – e objetivo – é combater o êxodo rural e trazer de volta as famílias para o campo de maneira digna, por meios de incentivo à produção rural, formando assim um maior número de agricultores familiares. O único problema é que o homem, depois de experimentar a vida na cidade, não quer mais ter como sua única amiga a enxada. É aí que nós entramos.
    Com acesso à informação, o novo agricultor familiar tem os mesmos benefícios dos grandes latifundiários, ou seja, a tecnologia e o conhecimento andam ao seu lado, e não somente a enxada e o financiamento do plantio, colocando em risco suas terras ano após ano, colheita após colheita.

    Com visão diferenciada, o fazendeiro Rogerio Festa, da FAZENDA PROAGRO ( http://fazendaproagro.com.br ) acredita que o agricultor familiar moderno não precisa mais da enxada como parceira, mas sim de um engenheiro agrônomo, um economista, um administrador, enfim, profissionais que juntos possam extrair o máximo da terra com o melhor custo benefício, maiores rendimentos de maneira orgânica e consciente. É isso que a FAZENDA PROAGRO oferece.

    “Somos a geração saúde e podemos fazer a diferença trazendo o homem de volta ao campo de maneira digna e moderna, desta vez com acesso à internet, um mundo de informações e apoio da tecnologia e estudiosos do ramo, garantindo um cultivo seguro, protegido com agricultura orgânica e sintropia da natureza.”, disse Rogerio Festa.

    Na cidade de Almería, na Espanha, tudo é cultivado em estufas, e de lá vem todo nosso suporte técnico para trazer ao Brasil o melhor do agronegócio em cultivo protegido do planeta.

    A Fazenda Proagro é o mundo dos agronegócios para o pequeno agricultor, hoje somos 531 famílias no campo, amanhã seremos 5 milhões.
    O mundo dos agronegócios ao alcance de todos.
    Fazenda Proagro, dividir para somar resultados!

Deixe uma resposta