Água

Protótipo feito por estudantes permite molhar plantações e evitar incêndios

Por setembro 8, 2015 Sem comentários
9yrkc3lvswas35qayviohgj6t

Alunos do curso de eletrônica da Escola João Luiz do Nascimento, em Nova Iguaçu, criaram projeto que usa água da chuva para a lavoura  Foto: Divulgação

Alunos da Faetec criam projeto de irrigação sustentável

Maria Luisa Barros

Muitos brasileiros cresceram acreditando que não precisam economizar água. Passaram a infância com a ideia de que esse é um recurso natural em abundância no país. De repente, o que era certeza absoluta foi por água abaixo e a população se assustou com a pior estiagem dos últimos 18 anos. Se para os mais antigos evitar o desperdício exige uma mudança de comportamento, entre as novas gerações a consciência ambiental é levada a sério.

A convivência desde cedo com a escassez nos reservatórios que abastecem as regiões metropolitanas motivou um grupo de alunos do curso de Eletrônica da escola João Luiz do Nascimento, da rede Faetec, em Nova Iguaçu, a criar um projeto do irrigação sustentável.

O modelo funciona acoplado a um sensor que é ativado sempre que a umidade e a temperatura do ar estão abaixo ou acima dos níveis desejados. Acionada pelo sensor, a bomba d’água é ligada por um tempo determinado. Se o solo ainda permanecer seco, a bomba é reativada automaticamente.

“Isso evita que a água fique jorrando sem controle até que a bomba seja desligada por alguém”, diz o estudante do 3º ano de Eletrônica, Rafael Calassara, de 18 anos. Outra aluna que participou do experimento, Amanda Lopes, 18 anos, afirma que o equipamento tem inúmeras aplicações. “Além de irrigar plantações, permite monitorar a temperatura em florestas e parques para impedir as queimadas”, diz. Amanda reforça que o sistema possibilita a captação da água da chuva na irrigação.

Iniciativas de reuso da água seguem recomendação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Relatório de Governança dos Recursos Hídricos no Brasil, produzido pela entidade em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA), criticou a comodidade dos governos diante da sensação de que o Brasil é um país abençoado. De acordo com o organismo internacional esse comportamento menospreza a gestão dos recursos hídricos no longo prazo. “ Vários países têm passado por essas mudanças e o Brasil pode dar esse passo para aperfeiçoar mecanismos de gestão”, sugere o representante da OCDE, Luiz de Mello.


Pior seca dos últimos anos afetou nível de rios fluminenses como o Pomba, em Santo Antônio de Pádua

Foto:  Daniel Castelo Branco / Arquivo Agência O Dia

Organismo pede transparência na cobrança pelo uso da água no Rio

Uma das soluções propostas pela OCDE para contornar a crise hídrica é a cobrança pelo uso da água. O Rio de Janeiro foi pioneiro na implementação da medida, em 2003. A arrecadação só aumentou, sete anos depois, quando a companhia de saneamento (Cedae) passou a pagar pela utilização de recursos hídricos.

Mas, na avaliação da organização internacional, falta transparência na gestão fluminense. “Os dados sobre a cobrança pelo uso da água estão relatados no site do Inea (Instituto Estadual do Ambiente), mas não estão inteiramente disponíveis para o público em geral, o que não lança uma luz sobre quem paga o quê”, cobra o representante da OCDE, Luiz de Mello.

O relatório chama atenção também para o fato de que o Rio tem um dos sistemas de gerenciamento de recursos hídricos mais avançados do país, mas enfrenta uma série de desafios. Um deles é a elevada dependência da água que vem dos estados de Minas Gerais e de São Paulo.

O Estado do Rio é afetado ainda por secas prolongadas e inundações. A baixa qualidade da água é outro problema relatado no dossiê. Segundo o texto, 92% dos municípios fluminenses têm coleta de esgoto, mas apenas 59% são tratados antes de ser lançados nos rios e lagoas. Segundo o estudo, a gestão da água deve ser vista como prioridade estratégica, com benefícios econômicos, sociais e ambientais mais amplos para a política nacional. O Brasil não pode mais fazer gestão de crises hídricas, mas, sim, gestão de riscos, que leve em conta o crescimento da população e mudanças climáticas.

O Dia

Deixe uma resposta